terça-feira, 24 de outubro de 2017

E o sono que não chega

O sono teima em não chegar,
A noite está prestes a partir,
As costas doem de tanto lutar,
Na cama tentando dormir.
**
Fez-me levantar para falar dele,
Do poeta sono que me endoidece,
E eu venho aqui ter com ele,
Tentando ver se ele me adormece.
**
O cansaço é extremo, a inspiração já dorme,
Não sei o que digo, nem penso, 
Mas vejo o poeta com fome,
Comendo o meu sono sem senso.
**
Ralhei com ele, pela sua ousadia,
Ao dizer que me ia ajudar,
Afinal quando já era dia,
 Ele ainda estava a manjar.
**
Ele tinha a sua fisgada,
O seu mal era mesmo fome,
Tinha a boca do estômago dilatada,
 E o poeta do sono já dorme.
** 
Depois da pança cheia,
Fiquei eu ao Deus dará,
A manhã acordou soalheira,
Corri com o poeta de lá.
**
Cristina Ivens Duarte-24/10/2017

Sem comentários: